Translate

31 dezembro, 2015

Saquê de morango

Brinquei com você
ainda cedo
mas você
acordou azedo.

Eu querendo doce
e tu bebendo vinagre
nem para ser
um vinho suave.

mas tudo bem
bem que eu tentei
mas preferistes
a cara emburrada.

Eita...
que isso é uma bebida amarga
bem que poderia ser
uma caipirinha gelada.

22 dezembro, 2015

Desacertos

Me completo de imperfeições
eu, ser errante
cheio de lacunas
de falhas constantes
eu, ser inconstante que sou
eu e os meus defeitos
quase que perfeitos
requintes de erros
destroços na alma
eu nem sempre tenho calma
se não for agora
não tem outra hora
bem feito comi cru
um prato feito
que quase todos comem
isso é tão comum
e assim eu me olho
no que posso eu mudo
e de tudo escrevo
no que não posso
fico muda, calo
ou muito falo
mas só com o tempo
reparo
e olhe lá.

21 dezembro, 2015

Queimadura de 4º grau

O incêndio comeu o português
queimou a língua
deixou em chamas o museu
foi na tarde desta segunda
perto da praça da luz
que o fogaréu aconteceu
a tragédia não foi pouca
porque até um bombeiro
morreu.

"Solidariedade natalina"

O natal chegou
pra você que come
panetone todo ano
e enche a pança
de pernil e champanhe
e sorri pra parente
que nem te visita
quando você está doente.

O natal chegou
pra quem diz que tem Cristo
no coração e na mente
e prega o cristianismo
feito capitalismo delinquente
sem considerar que Jesus em tal
simplicidade e sabedoria
jamais agiria feito burguesia.

O natal chegou
pra você que passa o ano inteiro
sem dividir o pão
e nesta data resolve fazer doação
mas passa 364 dias sem estender a mão.

Tia escreve "vida loka"

Na favela a Clarice não reina
então a gente não lê Lispector
não recita Fernando
na quebrada o povo pede rap
protesta, fala de cadeia,
da nova senzala que é de madeira
e escuta a goteira do barraco
depois que acaba o tiroteio.

Na favela o choro
é pelo filho morto na navalha
o cenário é a mãe
que enterra o filho morto na bala
e também se fala do aborto da puta
que vende o seu corpo
por alguns míseros trocados
que lhe tire a fome
ela abre as pernas
pra vestir a família
ela abre as pernas
porque esse é mundo dela
mundo injusto este
que nos trata feito cadela
de rua
diferente de muita gente
que vive no mundo
da cinderela.

Na favela
não é a vela que incendeia
o barrado
não é o cachaceiro
que por acidente
incinera a comunidade
mas é a especulação
imobiliária
que por maldade
e desumanidade
comete atrocidades.

18 dezembro, 2015

"Vou te fazer mulher"

Tu não fazes da mulher, mulher
por levá-la para cama
porque essa não é a função dela
o homem faz da mulher, mulher
quando a respeita de verdade
e sabe que apesar da diferença
entre gêneros
são iguais como seres humanos
e não estipula papéis para ela
não a explora, obriga
ao contrário
ele divide tudo com ela
inclusive o trabalho doméstico
e os cuidados com a prole.

Tu não fazes da mulher, mulher
se a presenteia com uma rosa
para depois golpear-lhe no rosto
ou a ofende com gosto
em palavras e ações
sob forma de punir
por um ego covarde
de "machões".

Tu não fazes da mulher, mulher
por achar que ela não vai revidar
por crer que ela irá se calar, acatar ordens
por acreditar que ela é do sexo frágil
ou um ser incapaz, indefeso, "sem voz"
pois a moça vai além do que você dita
e pode destruir essas suas regras
e falas malditas
inclusive - salvo exceções -
discursos emancipatórios
em ações hipócritas.

Tu não fazes da mulher, mulher
se logo se irrita se ela está acima
ou par a par contigo
economicamente ou
qualquer outra coisa
que venha em sua mente.

Tu não fazes da mulher, mulher
se você se frustra
quando ela desconstrói
esse seu  mundinho
de homem guerreiro
e ela de bela adormecida
ou gata borralheira.

Aliás, tu não fazes da mulher, mulher
até porque você só veio ao mundo
por meio dela.

Vá para o inferno!

15 dezembro, 2015

O Jantar Literário

Pablo,
Bertold pediu desculpa
disse que infelizmente não virá
já Maiakovski falou que talvez
agora o Drummond só mais tarde
e Saramago pediu para que aguarde.

Até o Euclides disse que aqui vai passar
mas afirmou que sem sertões,
desta vez ele escreve em estrofes
sobre o Rio Doce que Samarco
ajudou a “lamaçar".

Galeano também confirmou
há pouco riu comigo ao telefone
e comentou que discutirá  nesta noite
sobre as veias abertas
de nossos versos.
Já seu  Gabriel García Marquez
quer recitar e ainda brincou
que trará sua viola
para junto dela cantar.
- Será?

Pablo,
Dona Carolina sugeriu
um sarau depois do jantar
para falar sobre quarto de despejo
e outras coisas que ela quer protestar
também aproveitou o ensejo
para chamar Clarice
pois nova foto com ela
quer registrar
inclusive Carolina me disse
que a escritora Clarice
novamente vai te entrevistar
e eu que não sou tonta nem nada
vou usar desse momento
para os meus livros
ela autografar.

Nem pude chamar Fernando
devido tamanho liberalismo
embora eu vá te dizer
que como político
ele seria uma merda
mas como poeta é um fascínio.

Ah...esqueci de te avisar
o Sr. Ho Chi Minh
diz que vem para te cumprimentar
e o Seu Vinícius de Moraes
quer te prestigiar
como irmão e companheiro
e cantar maior, cantar menor
dois cantos sob o Cruzeiro
pra falar do homem chileno
e do brasileiro.

Ai...Neruda,
assim o meu coração
não vai aguentar
é muita emoção
vou infartar
em pleno jantar!

12 dezembro, 2015

Irmão

Irmão
é katchup e mostarda
é festa junina da escola
é belisco, chute e abraço
é empinar pipa
fazer rabiola
passar cerol na linha
cortar o vizinho
se enfiar na briga.

Irmão
é bicicleta com rodinhas
carrinho de rolimã
escorregar com tabuas na escada
estourar bexiga de água
tomar banho de chuva
se enterrar na areia da praia.

Irmão
é cortar o cabelo de si
e do outro
é grudar massinha nos
móveis de casa
é dar chiclete para a avó
dizendo que é bala
só para rir da dentadura dela
depois dos berros.

Irmão
é riscar as paredes juntos
- sim, com lápis e giz de cera
riscar a sala e o quarto
brigar, brincar a tarde inteira
gritando "Oh mãe olha ele"
correndo da cinta
ficando de castigo
e repetindo quase tudo
em quase todo o tempo de criança.

Irmão
é escola, lição de casa
lazer, jogar bola
Chaves, Chapolin
Power Rangers
Sessão da tarde
filme de terror
xixi na cama.

Irmão
é apelidar o sogro da irmã
de capitão caverna, profeta
e qualquer outra coisa
que demonstre ciúmes disfarçado
é colocar defeitos no namorado dela
é dedurar para o pai o seu novo paquera.

Irmão
é torcer para o Corinthians
é bolo de aniversário
festa de Ano Novo
pizza sábado a noite
música irritante
gosto cafona.

Irmão
é treta, conflito, xingos
silêncio
depois de um tempo risadas
é almoço de domingo
é café da tarde.

Irmão
é crescer
junto ou separado
e não deixar de ser
é semente no vaso
é flor que desabrocha
cheia dos espinhos.
Eu quero sarauzear
dançar nos versos
brincar com a música
pintar meus textos
distribuir estrofes
criar desenhos
e tantos poemas
que despertem vida
em mim e nos outros.

Esverdeada

Esperanças morrem na gente
enquanto outras nascem
é uma que vai
e outra que cresce ou permanece
é preciso sempre tê-la em algo
não tê-la em nada
é não ter vida
é estar morto.

A esperança
movimenta.

Não é somente um esperar
quem acredita, vibra
e age.

10 dezembro, 2015

Esvaziando

Leve o que te eleve
a quem te releve
se você se revela.

Leve o que é grande
mesmo parecendo pequeno
seja ele um grão de feijão ou de areia
o que importa é que seja bom sem receio.

Leve o que as costas aguenta
é necessário deixar bagagens pelo caminho
certas coisas que nos atormentam.

À medida que levo eu insisto
resisto,
registra a mente
e nunca fica leve.

Preencho a mochila de pedras
que não me trazem alegria
essas pedras no caminho
não estão no meu trajeto
não fazem parte do meu destino
sou eu quem as coloco ali, “aqui”.

Esses pedregulhos
não me servem de nada
não fazem castelos
só trovoadas.

A verdade é que eu...
não preciso nem de um
e nem do outro
somente respeitar
os limites do  meu corpo.

Adeus

Apesar de tantos pesares
de ares pesados de pensares
eu resolvi pesar o que nunca pesei

Pensei...

Peço

Peso e levo o que posso

Peso....

Deixo e não levo o  que está no
poço


e naquele calabouço.




23 novembro, 2015

Ela

Uma flor nasceu
perto do arranha-céu
duma avenida
que nunca termina
brotou ali
na rachadura
próximo ao esgoto.

Uma flor tão pequena
que mal se percebe
duma cor amarela
delicada a se destacar no concreto
mas resistente que o vento não leva.

Virou um contraste perto do bueiro
vive sendo pisada mas sobrevive.

Essa flor
é para quem enxerga detalhes
pequenices grandes
simples pra mudar a razão do dia.

Essa flor
pode se tornar fotografia
ou uma reflexão
para um espaço da vida.

Comédia tropeçante

A vida é uma peça
que ao que se peça
pode nos pregar peças
em discretas desgraças
ou em grandes festas.

Mas eita mundo que se colide
e relincha:
É a peça do quebra-cabeça.

Mas eita mundo que nos aplaude:
Uma peça que não nos impeça.

E assim a peça tem sua mistura
num dia um balde de água fria
noutro uma garrafa que se estoura
para comemorar tamanha alegria.

Eu vivo mesmo
é dessa comédia em descompasso
num dia dou tanta risada
que no outro perco o compasso. 




19 novembro, 2015

Usuária de pó esia

Não sou chocólatra
embora eu goste
e nem alcoólatra
embora eu beba.

Maconha eu não uso
nem tenho seda
cigarro eu não fumo
mas acompanho. 

Tarja preta eu não engulo 
nem açúcar demais consumo
mas se tem uma coisa
que me vícia 
é a tal da poesia 
que para o meu gozo 
e bel-prazer 
ela me deixa sã
e também alucina. 

Poesia para escapar 
da tensão, da tristeza.
Poesia para fugir 
de uma dureza.

Poesia para rir
chorar e lamentar.
Poesia para frustrar
ou não frustrar.

Poesia para festejar 
fazer amor
criar amigos.

Poesia,
meu vício 
e minha alegria. 

17 novembro, 2015

Perdas

O terrorismo deveria acontecer
na casa do presidente
porque esse negócio
de olho por olho
e dente por dente
já matou muito inocente.

Quanta criança já morreu no mar Oriente?
Quanto de armamento Hollande ofereceu
para matar tanta gente?

Mas hoje é o seu povo
que está descontente.

Vivemos em um mundo
que cada vez mais
está doente.

16 novembro, 2015

Não tem tranca

Nem alavanca

Não tem freio

E nem estampa

Só uma tampa

E só um grito

Abafado

Na garganta. 
Minha pele não te impede

De você sair por aí

E minha pele não te pede

Pra você gostar de mim

Oras José

Tu sabes que eu sou assim

Quem quiser ficar aqui

Pode entrar e se distrair

Mas se não quiser me acompanhar

Fique à vontade para sair

A porta é logo ali

Ou a sala de estar também pode

Te servir

Que a noite está para começar

E eu não vou morrer por ti.

11 novembro, 2015

Existe algo mais?

Os seios
são duas montanhas
algumas altas e outras baixas
dum chão macio
e também firme.

Lembram peras,
alguns  melões,
outros laranjas,
ou então limões.

Os peitos
se parecem duas conchas
fechadas e abertas
a mostrarem preciosidades
mamilos de pérolas
de várias cores
entre claros e escuros.

Os seios podem ser maternos
cheiro de leite - cheio!
Jeito de colo.

Os seios também  podem ser amantes
quentes na cama
cheios de gana.



Redunda e dançante

A bunda tem mesmo vida própria
Drummond
ela se diverte
e diverte quem a olha também
com seus formatos
na sua dança.

Bunda pra lá
Bunda pra cá
Bunda valsante
Bundamor!

É sorridente
não importa o que
eu pense
ela está sempre sorrindo
nunca vi bunda doente
direita e esquerda
nem entram em conflito
não enxergam celulites
são duas dançarinas
contentes.











08 novembro, 2015

Puxadores artesanais

puxe a dor

de coisas irracionais.

Sol por onde andas

tão só?

que te demoras a vir

a rir.

Sol...

não fiques só aí

que o dia há de ir.



Se tu te escondes

ainda assim 

a vida acontece

não te demores

que logo anoitece

e você padece. 



20 outubro, 2015

Encantar e desencantar

Ana,
tem a liberdade
de ir e voltar
de contar as suas histórias
e todas as fantasias
um dia pássaro
outro menina
por conta
de um conto.

Mas a energia
entre fantasia e mentira
é diferente
sinta o peso das palavras
e como elas se manifestam
uma brilha e a outra escurece.

Na mesa de cirurgia

Alguns pontos doem
certas coisas são costuradas
sem anestesia
é o sangue quente que escorre
a agulha na carne
não tem morfina,
tem o tempo que estanca
que ora espanca
e noutra espanta.

O rasgo poderia ser no pé
mas foi no peito
outra vez não tem jeito
não foi a última
e nem a primeira
mais uma cicatriz.

Em outra estação
o grito abafado
estará liberto
para novo estrago
ou não
talvez um engano
que irá me engasgar.

29 setembro, 2015

A moça do metrô

Pele cor de ouro velho
olhos como duas luas cheias
da íris do quase mel
feito da sombra da mãe Terra
num esplendoroso eclipse lunar
já se concentrado na retina
num fino eclipse solar
cabelo solto abaixo do ombro
escuros dos cachos armados
boca da carne que salta
da cor de lama avermelhada
num batom levemente rosa que esvai
pescoço do vaso de barro
a vestir colar comprido de uma pérola só
em suas mãos unhas de céu noturno
no dedo indicador um anel hindu
no anelar um maia
camisa de estampa clara
cheia de flores serenas
mais um jeans desbotado
e dois pés pelados.



28 setembro, 2015

Queimadura

Quis negociar o afeto
colocou o poder no lugar
perdeu o foco
tudo virou fogo
e o amor uma casca.

24 setembro, 2015

Ah... meu amor
se tu visses as manchas da lua
mas você não vê
nem as pinturas da sua rua.

"Mitos que não minto"

Tu sabes
eu vou te chamar
pra ver o mar
e ouvir o canto da mulher
e ver os passos que ela dá
e depois por curiosidade
iremos a Marte
mas não queira viver lá
fazer casa naquele lugar
porque se quiseres
para não nos matarmos
eu vou me fazer de covarde
não quero travar um combate
e se ainda assim quiseres ficar
chamo o seu Dionísio para te buscar
bêbado acordarás em Vênus
e quero ver você querer voltar.

12 setembro, 2015

Tirei um peso das costas
e uma pedra do peito
uma pedra que hoje está oca
mas que ontem esteve cheia.

Voar como é bom
mas o meu voo era tão baixo
como se eu estivesse acorrentada
ou com a asa quebrada.

Mas a asa sarou
ou eu achei a chave
para voar alto
para ficar em liberdade.



26 anos e meio

A escolha não era dele, era dela e sempre foi assim. Não sabia tomar decisões, refletir, porque alguém fazia isso por ele. De um lado a bajulação e doutro a manipulação. Participar deste grupo é me aniquilar e eu não posso, pois desde pequena bati o pé para poder vivenciar as minhas experiências e quantos confrontos dentro de casa por conta disto, era uma adolescente aprendendo, queria viver para o mundo, escutei conselhos sim e por que não? Aprendi muito com os outros e sou grata por isso (ainda aprendo), mas aprendi muito me ouvindo também, fazendo as minhas escolhas, ainda que elas fossem me despedaçar no dia seguinte.

Mas me parece que alguém dita a profissão que você deve seguir, aquilo que você deve usar, as companhias que deve ter, o quanto você deve ganhar para poder ter um relacionamento sério, diz até se você deve ou não sair de casa, decide sobre os seus passeios, sobre as suas namoradas e sobre quem ela aceita ou não, por isso me sentia a professora do pré primário, em que a mãe vem fazer uma reclamação sobre não terem dado almoço para o seu filho. Acho até descabido quando acompanho certos pensamentos que essa senhora faz sobre o feminismo e a luta contra o machismo, quando ela mesma procura uma nora que se submeta ao filho dela e a todos os caprichos que ela fez e faz para que o seu bebê não sapateie e não fique emburrado. 

Que pena, porque eu gosto de você e não é pouco, mas eu também gosto de mim, jamais quero que trave uma guerra com aquela que te trouxe ao mundo, no entanto, que saia deste mundo placentário e aprenda a sentir você, os seus limites, a escolha dos seus alimentos, enfim, os seus verdadeiros desejos. De repente estou enganada, mas talvez o seu maior confronto seja esse "equivocado conforto".

A gente só aprende a andar caindo, imagine se sempre nos segurassem?! e nesse cair e levantar enxergamos alguns caminhos que queremos seguir, e assim, passamos a nos descobrir através de nossas opções e não do que escolhem por nós. 


06 setembro, 2015

O que mais além de revolucionários ou grandes líderes? O que mais fora política?

Enquanto comentava sobre os grande líderes comunistas, eu escutava, pesquisava algumas coisas sobre, tinha contato com certas obras - obviamente que numa frequência muito menor, até porque eu também gosto de outras coisas - e o primeiro pensamento que me vinha sobre esses líderes é se eles eram poetas, pintores, músicos e qualquer outra coisa que fica despercebida. A figura deles é algo forte, autoritária, no entanto, o que existe além disso? 

O guerrilheiro Ernesto Che Guevara além de tocar instrumentos musicais escrevia poesias de esquentar o coração, mas não só ele como os que antecedem a ele. Poemas do cárcere do grande revolucionário Ho Chi Minh são simplesmente fantásticos, alguns deles me trazem o sentimento de paz, os momentos que descreverá não só dentro do cárcere, no entanto, a maneira como enxergava a natureza, os animais, as flores. Mao Tsé Tung também era poeta, e em algumas de suas poesias traços da natureza, em outras, a história da Revolução Chinesa. 

E Marx? O que eram aquelas cartas para Jenny? Muito melhores do que as cartas que Fernando Pessoa escreveu para Ophélia, acho que até entendo o porque dele dizer que as cartas de amor são ridículas, pois não seriam cartas de amor se não fosse ridículas, e embora, eu adore o Pessoa, aquelas cartas eram realmente ridículas de puro leite condensado que até causava tédio, mais me parecia uma xícara de café com 1kg de açúcar, contudo, as cartas de Marx para Jenny soavam numa dosagem certa e um romance, um amor que em palavras não é possível explicar, tanto que ele afundou após a morte de sua amada. Marx como pai brincava de teatro e de tantas outras coisas com as  suas filhas no parque, portanto, não era só política e só o Manifesto comunista. 

Nessa história de poesia se meteu até o Engels e Stálin, porque eles  também escreviam, embora, o Josef Stálin  tenha sido acusado de assassinar alguns poetas, informação que eu não sei se procede, a única que tenho conhecimento é  de um poeta que ele mandou matar por ter comparado seus bigodes com uma barata. 

Já de Lênin eu não conheço nenhuma poesia, contudo, grande poetas escreveram sobre ele, como Maiakóvski, Brecht e Neruda, fora vários pintores que retrataram a sua pessoa em inúmeros quadros. 




A obsessão aliena

Falou sobre a ressocialização dos presos na Rússia comunista, de como a arte é transformadora e de como eles fizeram uso dela, mas quem falava não tinha noção do que dizia, apenas repetia o que havia lido no livro ou o que havia escutado de um amigo, porque eu mal conseguia falar de arte ou de qualquer outra coisa que não fosse o mesmo assunto: comunismo, política e proletariado armado, um assunto que se tornou obsessão, não se aprendia de forma saudável e consequentemente não poderia ser explicado ou passado de uma maneira que não fosse doentia, é uma espécie de intelecto enjaulado ou prejudicado. Ele estava doente, precisava se ressocializar urgentemente. 

"Fez casa aqui"

A poesia me picou
deixou uma ferida
fez uma cura.

A poesia me tomou
rapidamente com sede
feito água numa garganta seca
e levemente degustou
feito vinho que se aprecia.

Eu não sei mais o que faço
ela incorpora
se apoderá
eu digo cale-se
e ela grita para sair
sapateia se preciso
quer falar de qualquer jeito
já não sei quem é que fala
já não sei quem têm as rédias.

Me aparece no trabalho
na sala de aula
no cinema
nos trajetos que faço
e como pode aparecer
quando quer?
na hora que quer?
quem ela pensa que é?

A poesia me escolheu
e nem perguntou se eu queria
ela disse estou aí
e não adianta você fugir.


01 setembro, 2015

Crisálida

Nos esforcemos para a transformação
da larva em borboleta
a metamorfose requer tempo
e principalmente a "reflexão dos atos"
já a alienação o que causa
é a transformação do homem
em um inseto grotesco.


Palavras-chave: Kafka, alienação,barata, larva, lagarto e borboleta.

29 agosto, 2015

Um simples imenso

A paz, o sentimento bom em matar o cansaço na cama, o frio no cobertor. Os problemas se afastam por um curto momento, porque a questão maior é o descanso quando o corpo já não aguenta e os olhos insistentemente se fecham. 

A paz, o sentimento bom no banho, na limpeza corporal, na tranquilidade das águas, no som do chuveiro, nas impurezas que escorrem, das energias que encontramos, daquilo que descarregamos, dos pensamentos que melhoram - pelo menos os meus. 

A paz, o sentimento bom no cheiro da comida de nossas mães, do tempero do feijão, do molho do macarrão, do doce na boca, do gosto, da repetição da sobremesa, do suco fresco, da comida quente, de saciar a fome e ao mesmo tempo ser feliz no paladar. 

A paz, o sentimento bom de uma tarde, de uma rede, de uma paisagem, de uma noite, de contemplar o mar, de um céu bonito, de uma lua cheia, de uma conversa prazerosa, de um passeio, de uma música, de uma leitura, de deitar na grama, de esquecer algumas coisas. 

A paz, o sentimento bom de abrir mão de qualquer disputa, de se declarar perdedor para ser livre, de se declarar qualquer coisa, de fazer as malas, de seguir outros caminhos, de ver outras coisas, de conhecer novas pessoas, de ter outros papos e de também calar, de silenciar, de se conhecer melhor. 

A paz, o sentimento bom de certas poesias, do som da flauta, de certas notas que se tocam num piano, de algumas pinturas que transmitem calmaria, da arte serena. 

A paz, o sentimento bom da simplicidade, de não precisar de muita coisa, de sentir o que temos, o que experimentamos, as sensações que nos deixam leves e por um tempo satisfeitos. 

23 agosto, 2015

Uma passagem de Frida: a bailarina destroçada

Quisera ser a bailarina
sonhou em ser o que não podia
mas mesmo assim a vida que ardia
não fez de Frida desistir da dança
queria ouvir "olha a dançarina"
ousar o palco – usar
ouvir os aplausos
porém isso ela não teria
resistiu e depois ...
desistiu.


Fora num acidente
em que a barra de ferro
entrou pelo seu quadril 
e saiu pela sua vagina
naquele bonde tinha uma rapaz
com uma sacola cheia de pó dourado
e no desastre o pó subiu 
e aos poucos caiu 
no corpo da moça Kahlo.

E aquele corpo virou uma arte
e as pessoas gritavam olha a bailarina
toda ensanguentada
Frida ouviu
e em dor e delírios sorriu
naquela tragédia
em poucos minutos
um corpo quebrado
se transformou numa dançarina
reconhecida como queria.



22 agosto, 2015

HERBERT

Escuto o nome e me vem Paralamas, mas essa história não tem nada de Herbert Vianna e muito menos de Herbert Richers. 

Sentado no chão, encostado em uma coluna de concreto – ali está Herbert ou Erbert ou mais algum outro jeito de escrever esse nome. Pouco mais de 30 anos, não sei se chega aos 35, enfim, teria ele uma família?

Há meses estava no mesmo lugar, antes existia também a Maria, que sempre vestia um moletom vinho e muito sujo, mas praticamente não dava para conversar com aquele senhora,  devido tamanha agressividade, necessitava de tratamento urgentemente, era o psicológico e o espiritual em um tamanho abalo, a diferença é que a família sempre vinha buscá-la segundo a faxineira do banheiro feminino.

O rapaz me chamará atenção, a forma como ele olhava as coisas, as pombas, as plantas, os próprios pés e as mãos, e naquele ambiente tanta gente que chega e vai, gente que passa e um imenso vazio, uma frieza, as pessoas não enxergam nem pomba, nem pés e mãos, não percebem o outro, somente os sapatos e  promoções coladas em paredes do metro, no vagão, ou então estão preocupadas em chegar ao trabalho no horário - no bendito horário - ou se ao contrário, em retornar logo para a casa com o fone no ouvido, fone quase que maior do que a própria cabeça.

Certo dia o vi admirando as árvores e acariciando as folhas, e conversando e conversando com elas, e contemplando aquela amiga bela de pouco mais de 2 metros e cheia de flores roxas, realmente linda!
Mas ele precisava conversar com outros, descobri que sua família não o queria, não se importava, até mulher ele tinha, se o que contará era verdade eu não sabia, no entanto, muitas vezes a realidade é cruel.

O moço gosta de desenhar e às vezes escreve, antes era no papelão, agora é na sulfite, no lápis de cor. Dia desses o vi nas escadas, ele ficará ali com os olhos escancarados olhando para as pessoas, e elas subiam e desciam e elas subiam e desciam e subiam e desciam, mas ninguém percebia aqueles olhos escancarados, eram janelas abertas dizendo: - entrem, eu vejo vocês e vocês não me notam?!


Eu me sentia uma câmera que às vezes falava com a personagem principal. 





21 agosto, 2015

" Eletrodomésticos, sucos e sentimentos"


Poupe a polpa do nosso amor
tire a roupa do seca-dor.

Destranque o cadeado
pule o cercado
deixe o ventila-dor te dizer
que nem tudo está parado
como relógio quebrado.

E o tempo é descobri-dor
deste liquidifica-dor
empoeirado
que vai bater
o que solidificou a dor
para que se possa apalpar
a polpa do nosso amor.

20 agosto, 2015

O criminoso

Se na esquina tem um "negrinho"
o policial para
logo diz que é bandido
estuprador ou traficante
logo desce o cassetete
ou então mete bala.

Essa cultura impregnada
de racismo
diz que o negro da esquina
da senzala ou da favela
é assaltante e homicida
mas quem comete a chacina
é a Rota
a própria polícia.

19 agosto, 2015

Sobre frutas

Barba da casca de kiwi
língua de morango
no gosto de manga
olhos de jabuticaba
boca feito fatia de melancia
rosto com o formato da pera
no cheiro de maracujá
pele de pêssego
orelha de nectarina
nariz de framboesa
cabelo do cacho de uva
já o coração era diferente
desenho de carambola cortada
uma estrela.

NÃO INSISTE QUE EU TE DENUNCIO


Não bastava defender o movimento feminista, deveria de ser o "feminismo marxista–leninista"- na verdade, ele não entenderá nada sobre a emancipação da mulher, apenas adotou essa defesa em específico por conta da obsessão por Marx, somente – sua oratória era impecável e os seus textos uma arma a citar grandes feministas que realmente estavam incumbidas com o processo da liberdade humana, no entanto, este camarada de fato não lutará contra a opressão, ao contrário, ele era o opressor.

Embora ele alimentasse o discurso de igualdade de direitos, a mulher em seu íntimo deveria ser aquele ser indefeso, para que ele, o herói, a salvasse de todos e de tudo, para isso era preciso uma moça sem voz, alguém que necessitasse de um ser forte por ela ser incapaz. Também não seria possível ter uma condição financeira um pouco melhor do que a dele, pois isso representaria humilhá-lo gratuitamente, portanto, qualquer convite se transformava em guerra.


A companheira deveria se submeter aos seus caprichos, deveria servi-lo e se possível sempre no quarto em um fetiche de puta, mas por que  s e m p r e  o fetiche da puta? Obviamente eu questionava a insistência desta figura. Eu já havia entendido, porém eu perguntava, queria ir mais a fundo, mostrar se teoria e prática realmente se casavam, seria um processo de reflexão, todavia, ele não se permitia, somente encenava uma postura fora do quarto, ele vestia a sua máscara, e eu de alguma forma a tirava - foi o fim.

18 agosto, 2015

Amora

O meu amor é uma amora
amora de amara
pra variar estou perdida
entre a partida
e a chegada
pendurado nas árvores
estão os frutos
que ora nos furtam
que em outrora eu furto
fico escondida
olho pelo muro
até que eu possa
pegar a fruta.

17 agosto, 2015

Muito além

Quando não estou em mim
sou o som da chuva
a grama molhada
o pássaro que canta
a flor que se abre.

Quando não estou em mim
sou totalmente natureza
sou totalmente outra beleza
que o pobre homem
pouco sabe sentir.

Eu vivo no mar
eu voo ao sol
estou nas montanhas
e em qualquer lugar
nos bichos
nas plantas
no olhar da criança
na semente que brota
na terra que sangra.


Lembramos: pernas cansadas

A gente acha que não passa
a gente chora
mas depois de um tempo
achamos graça
fica na memória.

Madrugada
caminhada naquela avenida
elitizada
e por incrível que pareça
naquele dia
não tinha bar,
não tinha boteco aberto
só ela e eu
naquela desgraça
sentada na escadaria do prédio gazeta
sem álcool, sem água, sem nada
exceto com prosa e muita raiva.


Hoje, apenas risadas!

12 agosto, 2015

Não percamos a doçura por conta
da amargura de outros.

Não façamos de nossas vidas
um cenário escuro
que mutila todo dia
o próprio corpo
e que cospe fogo no outro
até chegar no fundo do poço.

Se cada um dá o que tem
aceite apenas o que lhe convém,
aquilo que lhe fizer bem.

Vejo sim

Não me conte margarida
que vai se jogar da ponte
por não ser querida.

Meu bem
se ele não te faz preferida
saiba que eu posso te fazer linda.

Neste mal me quer
e bem me quer
vejo a construção de feridas
um coração partido
será que tu não vês
que eu sou teu pretendido?



26 julho, 2015

Um escrito achado

"PÊNDULO"

Com o tempo tantas coisas passam
com o tempo outras coisas são
o que era belo já não tem mais graça
e o sincero foi jogado as traças.

Então a cena já não é a mesma
e as pessoas entram, ficam e vão
e a gente se compõe de espaços
entre mudanças e recordações.

E quando o sino bate eu sei que é hora
a roda vem e muda toda a história
gira, gira a cada aurora
e vai embora até o sol se pôr.

E os dias são assim
a gente ri mas também chora
é feito onda que vive na memória
a gente deita e sente ela passar
e quando acorda vê que está em outro lugar.

23 julho, 2015

Filha da Revolução

Quase todas dizem Frida
mas se questiono
quem foi essa mulher atrevida
as pessoas ignoram
ou se Kahlam.

Frida Kahlo nascida em 1907
foi uma mexicana de vida sofrida
moça pobre com poliomielite
na juventude sofreu grave acidente
que marcou para sempre sua vida
mas mesmo em obstáculo latente
se tornou uma pintora reconhecida.

Em cores quentes ousou e expressou
angustia, dor e paixão.
Em cores quentes ousou e defendeu
a bandeira de sua nação.

Porque Frida não é somente saia comprida
e flores coloridas.
Essa moça ficou conhecida 
como a filha da Revolução
a contestar convicções políticas
a quebrar o que era padrão.

Mulher guerreira de sentimento anti-imperialista
que lutou em pinturas não surrealistas
que se revelou como grande ativista
a enfrentar bravamente o mundo machista 
a revelar o nome do verdadeiro fascista. 

Frida Kahlo não é mito de consumo
as vitrines não contam sua história
apenas a jogam no ralo.

Portanto sejam Fridas de verdade
reparem como a arte dela arde
pintem a dor o amor e o combate
rebelem-se em telas
em falas e ações
digam não ao que impera
a quem nos dita regras.

Pois se a vida é sofrida
então lutem
mostrem suas feridas
e nunca se calem.



Adeus

Presente grego
são as palavras que você me deu
pensei que queria um dia me agradar
mas você só me ofendeu
lhe agradeço por
me desagradar
eu sei quem é que perdeu
conheço a graça do meu ar
realmente você não me mereceu.

Procure em outro lugar
pessoas iguais a você
que gostam de disputar
até o amor adoecer
que precisam pisar
para se engrandecer
isso é o amargar
que te fará padecer.

Quando você quiser voltar
procure me esquecer
porque eu não vou retornar
para quem gosta de fazer sofrer.

Aborto

Escrevo por mágoa
não é saudade
Escrevo por raiva
e é verdade
Se um dia te quis
hoje desquero.

Poemas alegres
não lhe escreverei
abraços sinceros
não te darei.

Você em mim não tocará
Você em mim morrerá.

A única coisa que quero
é nunca mais te ver.

Na minha estação

Eu aqui já me arrumo para a primavera
enquanto que você aí hiberna
Eu gosto de flores
mas você do inverno
Eu quero amores
porém você só faz inferno
Investe em dores
eu é que não viverei do seu interno.

22 julho, 2015

Quando o vejo

O amor está ali
naquele casal senil
vejo alguns raros por aí
de mãos entrelaçadas
e enrugadas
uns vivem de bengala
outros de cadeira de rodas
ou então estão juntos
subindo a escada
degrau por degrau
e com cuidado.

Aquele senhor
como olha para ela
como ainda a acha bela
aquela pele um dia jovem
hoje está velha
mas ele mesmo assim a vê
como se fosse de uma donzela.


Esse amor,
Ah...esse amor
não é desses de novela.

Ele envelhece
mas nunca adoece.

20 julho, 2015

EXPURGO

Quando tu vens 
em meus pensamentos
eu te elimino
eu te expulso
ainda que na escrita
eu te vomito
pra limpar o estrago
assim eu costuro
os rasgos.

Se eu pudesse
depositava toda
a minha força
e te empurra 
de vez 
pra fora de mim.

11 julho, 2015

Sábado

Um dia frio que por dentro é quente
um inverno de verão não é o inferno
tempo da quentura do que faz escrever
clima ensolarado dentro do peito
que seca feridas
e mostra a verdade de outros caminhos.

Trilhas com ilhas e mares
ruas bonitas e lares
canto que escuto das aves.

É sábado de festa e poesia
no sarau da minha vida
as pessoas protestam mas
também dançam em plena avenida.

A gente se entristece
mas a gente também escuta os pulsos
do coração que pede alegria
então demos a ele o calor
a energia que derrete o gelo
e nos contagia.



09 julho, 2015

O AMANTE DO BUKOWSKI - Fim

"Sobre Canecas e Chá"


Nós conhecemos há quase 23 anos, praticamente um irmão - amigo de longa data. Recordo-me da época da escola, de nossas conversas em grupos, geralmente eu e mais 4 moleques, política, 12, 13 anos de idade, 7ª série (francamente eu não sabia que o Bukowski aí gostava de poesia, descobri muitos anos depois). Com o tempo a gente aprende, desaprende, acha que aprende, enfim, e nada era como nossos professores haviam dito, e os da universidade conseguem ser muito piores - são arrogantes, conservadores, e os que se dizem de esquerda,"os de esquerda se vendem" - apenas!

Somos geniosos, nunca daríamos certo como um casal - quase que idênticos, carinhosos e explosivos - fazer o quê se é verdade? Ainda bem que nunca nos apaixonamos, ainda bem que nos tornamos los hermanos. 

Seus escritos, quase que uma imitação do original, do verdadeiro Bukowski. Me passa a mesma sensação. Bukowski não é engraçado, as pessoas riem sem entender, boa parte de suas obras são depressivas - porra, isso não é alegre, então, eu não entendo certas falas, parece uma ilusão, por acaso alguém se sente bem assim? de verdade? eu não entendo!

Em seus textos as pessoas dizem bacana, riem, mas é triste, mas é triste, ninguém percebe que é solitário demais? - Será que eu sou louca? Eu sempre fui do contra, não porque quero ser do contra, contudo, eu tinha que escrever algo diferente, eu questionava, era preciso um outro lado, uma outra visão, não necessariamente a minha, no entanto, refletir sobre aquilo. 

- Não se afunde amigo, não afunde elas também!

Seus textos, relatos de sua realidade mesclado com alguma coisa a mais. 

O problema é que elas se apaixonavam, enquanto ele dizia foder, enquanto ele dizia seios, peitinhos, buceta, trepada....enquanto ele dizia tantas coisas e as largava como um nada, e depois tudo se acabava em alguns copos de uísque e um pouco de chuva, e um cara mais triste do que as moças que ele largou por aí. 

Os escritos.... parecem que se concentram em somente sexo e bebida, mas é muito mais do que isso, neles se escondem alguém perdido e vazio, estão entrelinhas. 


Há pouco lembrei de uma música que ouvíamos no carro enquanto ele se mostrava apaixonado por uma amiga minha, o relacionamento deles durou cerca de 8 meses. Sim, ela sofreu muito, e eu...bem eu fiquei entre a cruz e a espada, e ele... continua nos mesmos textos, sentimentos e fodidas. 


05 julho, 2015

O que é crime hediondo?

Lesão corporal de natureza grave
é um buraco no estômago
chamado fome, chamado pobreza.

Crime hediondo é o que fazem 
com a população brasileira 
vejo que a cada manobra 
oprimem ainda mais a classe pobre.

Somos estuprados todos os dias
em nossos salários, 
na venda de nossa força de trabalho
em pagar mais do que ganhamos
naquilo que nos mesmos produzimos. 

Latrocínio é o que fazem os bancos 
e as grandes companhias.
É esse Estado capitalista
que primeiro nos rouba
e depois nos mata.

Sensibilidade

É preciso cuidado para não perder a sensibilidade
da leitura, do toque, da escrita
a sensibilidade da música, 
do sensível ouvido, 
da compreensão das palavras
dos segredos das estrofes
e das reflexões que lentamente
penetram em lugar profundo,
um abraço na alma.

É preciso cuidado para não perder
a sensibilidade de enxergar 
de não se tornar cego 
ainda que com a retina saudável.

É preciso sensibilidade
para sentir o ser humano de verdade.

26 junho, 2015

Meu estado

Sublimei a humanidade
com pensamentos bons
sublimei com amor
contemplei a beleza de cada irmão.

Sublime é o abraço
o sorriso
a flor que nasce no asfalto
a linha que costura os corações
o carinho que aquece a alma
que enriquece a vida.

Sublime é a poesia
a amizade
o feto que constrói laços
o afeto que se eterniza.

Sublime é o sabor da fruta
o cheiro da comida de minha mãe
o banho que me eleva
o corpo quando descansa.

Sublime é o pianista do metro
o violonista da rua
o contador de histórias da periferia
a paisagem bela que seca sobre uma tela.

Sublime é o que eu divido
o que eu partilho
porque a minha ceia é agora
a minha morte e ressurreição
é todo dia.

Sublime é a liberdade sem demagogia
é a reflexão de cada filosofia
é fazer política com qualidade de pensamento
mas é antes do primeiro o trabalho da mente.

Sublime é o parto
e o último suspiro
é a arte do choro
e do respiro.

Sublime é a fome que mato
é o frio que espanto
é o pouco do conforto que tenho
podendo ser repartido com outro
pelas minhas mãos e pelas vossas.

Sublime é saber
que ainda que eu tenha uma crença
que ainda que eu acredite em um partido
eu não preciso me filiar a nada
para perceber o ser humano.

Perceber mais do que perceber.

O que é sublimar a humanidade?

- Observei!

Filósofos e economistas autodidata, discutiam sobre a sublimação da humanidade, neste debate apresentaram a problematização de um partido de esquerda defender o tráfico de drogas, obviamente que não seria possível aniquilar o capitalismo deste modo, contudo, o que mais me chamará a devida atenção era a imagem do noticiário, que continha fotos de militantes a espancar o tal do traficante. A questão é que não existia sublimação em nenhuma das partes.

10 maio, 2015

No silêncio

Disputar quem tem mais culpa
ou argumentar a igualdade da culpa
a igualdade da mágoa 
quanta coisa que cansa
e a vida que passa.

Eu quero me libertar de aflições voluntárias
somos livres para escolher outros caminhos
para deixar de cutucar feridas
para enxergar os nossos próprios movimentos
e perceber o quanto a gente mesmo se golpeia. 

O tempo quanta coisa nos revela
ele nos dá, ele nos tira
a gente sapateia se ele tira, 
mas só depois de muitas voltas no ponteiro do relógio
a gente entende do que se livra
ou do que nunca daria certo. 


Memórias da infância

Comecei investigando o mundo das formigas
em cada buraco que entravam
o que era um formigueiro
por que andam todas em linha
como é que suportam esse peso?

A gente olha para o chão
e percebe quando caminho ainda tem para percorrer
depois de tanto tempo eu ainda as percebo
essas pequenas folhas que são levadas
por outros seres mais minúsculos ainda.

É tanta coisa que passa despercebida no mundo dos homens adultos e cegos
felicidade é ser criança, em alguns momentos me pego olhando os pequenos
que movem lentamente a natureza
a vida deles às vezes me lembra a minha.







01 maio, 2015

Sobre dar o rumo

Pessoas são diferentes
umas alegres, sorridentes
e outras que mostram
somente os dentes.

Há quem goste de dançar
de falar sobre tudo,
há quem veja a vida
quem ame o mar,
e quem beije profundo.

Têm os que tentam, persistem
têm também os que dão murro em ponta de faca.

 Ah...os que falam, os que silenciam
também quem dialoga
e quem debata.

Têm  os que te incluem
e os que te excluem,
os que te amam e os que te matam.

Têm os espertos e os bobos,
como disse Clarice.

Tem tanta coisa para gente ser e escolher,
tem tanta coisa para gente querer ou se afastar.

Árvores e homens

As árvores perdem suas folhas
porque envelhecem ou porque o vento leva
mas o tempo quase sempre traz as novas.

Depois de descer a rampa
sempre olho para elas
esperando o tempo de novas folhas
se secas os pássaros quase que não cantam.

Ver a árvore é ver o espelho da gente
às vezes estamos cheios de folhas, frutos e flores,
mas às vezes estamos "cheios de nada",
ficamos secos, nus,
esperando a próxima estação chegar.

O ser humano floresce,
no entanto, infelizmente, nem todos.

Tem árvore que já foi florida e já foi verde ou alaranjada
mas hoje é seca em qualquer dia do ano.

Nessa, uma beleza triste de se contemplar.



Alienação

Me cansei de ser a professora do pré primário de um amor
de ter que ver e ouvir as indiretas de quem lhe dá o leite ainda no seio
na barra da saia que você segura,
mas eu não vou por saias
nem lhe dar o leite do meu peito.

Eu acho tão louca essa situação que fiquei doente
eu acho tão louca tanta coisa que agora me faço ausente,
só escrevo coisas que você leria se não estivesse
tão doente.

Não entendes de flores e nem de cores
e ainda que toques violão erudito
tu não sabes o que são acordes,
você não acorda.

Não me fale em enviar dinheiro para o outro lado do mundo
na compra de fuzil que estoure os miolos de capitalistas
quando quem está ao seu lado morre de fome
comendo lixo estragado junto com ratos, baratas e pombas.

Isso você não fala, você não vê, você não sente.
Isso é um contraste!

Não me diga o que é ser comunista quando você não sabe
o que sabes é o que dizem os livros e os noticiários e nada além,
sinta a miséria, não a teorize somente, não aterrorize.
Pior do que forçar
ou pior do que ficar na inércia
é se intrometer em algo
que não lhe diz respeito.

21 abril, 2015

Incorporar o que é bom e expelir o que é mau. O problema da inveja é que até o que é bom é destruído.
Pulsão de vida e pulsão de morte.

17 abril, 2015

Conclusão

Não nasci para dizer amém
e nem para me submeter.
Sim, incomodo e muito!

E quem não quiser ser incomodado
que fique em sono profundo.

E quem quiser ditar regras
que dite em outro mundo.

15 abril, 2015

"Sobre crianças"

Estava tão quente na cama
que levou um choque ao colocar
o pé no chão.

Mas nem mesmo o choque
o acordou da situação.

Olhando o tempo no relógio
aguardava ansiosamente pela mãe
que o tiraria do confronto
para colocá-lo no berço do conforto.

"O CORPO E OS LIMITES"

Um dia, no Teatro, me disseram que o corpo estava aprisionado (não o meu, especificamente, mas tooodos os corpos), daí era pra "atingir, romper os limites".
E isso me fez pensar:

- O conhecimento é só corpóreo? Só físico? E o físico, só pode ser dermo-ósteo-muscular? Concedo que não seja exclusivamente intelectual (e, em nenhum momento, o descarto!). Mas, onde ficam: o imagético, o visual, o auditivo, o tátil, o gustativo, a memória, a intuição, o equilíbrio, o..., a... ?
- Romper, é? Atingir limites, é? Então, que tal alguém localizar, mostrar e romper os limites: da tragédia, da tristeza, do riso, do patético, da moral, da religião, do fanatismo, da coragem, do medo, do ridículo, da covardia, da paixão, do desejo etc., em lugar dos limites do corpo?


E me mandei continuar pensando a respeito. Percebi que tocar o corpo do outro e permitir que toquem o seu, como exemplo de liberdade total... sei lá, tava meio pequeno. Daí, descobri o seguinte:
Você só atinge os limites...
... da água, quando se molha.
... da gravidade, quando flutua.
... do fogo, quando se queima.
... da sanidade, quando enlouquece.
... da resistência, quando quebra.
... da força, quando sucumbe.
... da criatura, quando cria.
... da dor, quando sofre.
... da vontade, quando desiste.
... da vida, quando morre.

Mas... isso tudo é atingir ou ultrapassar?
Aí é que está: só sabemos que o limite foi atingido quando ele já está atrás de nós.
Se ainda está à nossa frente, não foi atingido.






(Prof.Me. Warde Marx)

14 abril, 2015

Transtorno

Cada vez mais doente
essa ansiedade que te faz
totalmente ausente
escravo de um pensamento
intransigente
lhe tomando a mente
o teu medo é constante.
Pensou ter o controle
mas isso é não pensar
na escolha.

Você corre
com o monstro nas costas
com os olhos tampados
você fica exposto
com os ouvidos tapados
você não ouve os seus lados.

- Socorro!!

Não abafe o teu grito
não estampe um sorriso
no lugar do conflito.

Não acelere os passos
se você está perdido
numa cena da infância
procurando esconderijo.


Asco

Difícil é falar de sentimento coletivo
se ele vive no profundo egoísmo.

É muito materialismo
para pouca solidariedade,
muita teoria sem nada de prática.

Discursos rebuscados
Oratória perfeita
A escrita nem sem fala.

Mas a sua mão
para variar
está sempre fechada.

Mas o seu tempo
para ajudar
está sempre escasso.

Quanto exagero em pretensões.
Quanta falta de iniciativa em ações.

10 abril, 2015

Luz...ir

Luz,
tu que vens nos visitar
e ensinas que o coração bom
é o teu lar,
e nos fala que palavras não
vão lhe conquistar
caso demonstrem
intenções diferentes
do que as atitudes querem causar.

Luz,
tu que nos conduz ao teu altar
que é o brilho deste céu
e as estrelas que nos dá
seja a nossa guia
a força de cada dia.

Luz,
que a tua energia
ofusque a vibração de todo mal
que a tua magia socorra
todo o umbral
para que a alma
viva em harmônia
seja aqui na Terra
ou em outro plano astral.

AVANTE!


Teus dias de cinza
cortinas escuras
poeira em tragos
fragmenta a retina.

Veja que as horas
foram todas embora
e que as próximas horas
te levarão uma parte.

Já é muito tarde
para resolver ser covarde
a tua essência não vive
para se alojar numa sombra.

Os anos de trégua e guerra
pedem para que você se levante
porque esse riso de cor
não engana o teu luto constante.

09 abril, 2015

Análise

A fala dele era de outra fala
doce disfarçado autoritarismo
daquele que primeiro fala,
induzimento de pensamentos
manipulação,
mas nessa eu não caio.

Afastei-me,
de longe avistei o problema,
a raiz que proliferava,
porque muito antes de nascerem certas falas,
já existiam incorrigíveis falhas.

Discordar não era possível,
rebelar-se perante tal situação
seria a morte,
o abandono tido como saudável,
a herança de família,
o argumento injustificável.



A arte morde
ela arde
mas a arte também cura
todo o alarde.


Adorá-la

Enxergar a poesia
não é questão de tempo
e nem de fantasia.

Mais do que métrica
ou versos livres
o poeta nela se deita
para poder senti-la.

Já quem a lê se deleita,
não é qualquer um
que a veste
porque o comum
apenas diz que é bonita
mas a pessoa que a contempla
nela se sente viva.

03 abril, 2015

Futura Fortuna

Que você fique rico
e tenha todas aos seus pés, amigo
mas jamais terás a mim,
porque é fácil ter alguém
difícil é entender quem é esse alguém.

Que você fique rico
e descubra que o amor pode ser amargo
que o dinheiro não tem nada de amigo
e que carros e poupança gorda
não é sinônimo companheirismo.

Que você fique rico
e veja que a solidão talvez seja maior
que a aproximação talvez seja só interesse
e que nada disso faz parte do coração.

Que você fique rico como afirmou para mim
e neste instante eu sei que ali não estarei
o que eu espero são coisas simples
coisas que a vaidade nunca pôde perceber.

"Castelo"

Que o tempo traga o novo
E este plante no jardim
Da minha casa
Versos que o velho não quis plantar
Estes que ele dizia serem bonitos sem contemplar.

Que o tempo traga o novo
Porque quero enterrar suas sementes
Em cada vaso que eu puder
Em cada verso que eu fizer
Eu vou cantar um outro amor.

Que o tempo traga o novo
Para essa vida que se esvai
Que ele percorra as minhas veias
Que ele me leia todas as manhãs
E perceba que tudo isso não é de areia. 

30 março, 2015

Rapaz eu estou olhando o seu lirismo,
é paz
coisa que me tira do abismo.

27 março, 2015

Poesia é você olhando para mim,
o repouso de pousar os seus olhos nos meus,
que me perco nos braços teus
e os meus versos agora são todos seus.

18 março, 2015

Seu Doutor

Se tu sofres
não é porque te fiz menos
nunca te vi assim
nunca te quis assim.

Se tens sedes,
então bebas, lute
faça o teu açude
mas não me açoite
nem dia e nem de noite.

Lhe peço, mas se insistires
engulo o choro e vou-me embora.
Fico antes sem ti por amor a mim
do que contigo e um chicote a estralar.

15 março, 2015

Sobre o luto

Morre pelo desgaste,
através do medo e da recriminação.

Morre por todos os erros
por todos os dedos na cara
e pela constante irritabilidade em ação.

Eu não tenho garantias
não sei se posso evitar erros
quando nem sei bem dos meus acertos.

Não acho que tudo se resolva no oito ou oitenta
e nem tudo na vida é uma grande audiência
em que falamos de partes, de provas e de sentenças.

Justiça a qualquer custo é uma fala que cabe ao inimigo
e não ao amigo que mesmo cheio de defeitos ainda assim permanece ao lado
tentando entre uma falha e outra mudar. 

Isso não é demagogia, isso é sentimento, e nem todo mundo consegue entender.


 (se a poesia fala)


08 março, 2015

Na agulha

Costure os meus versos desajustados
para que eles cresçam em teus braços
teça os meus poemas desmetrificados
para que eles aqueçam os seus lábios.

Seja a poesia a brilhar
de minhas rimas tão plebeias
todas num descompasso e rudeza
nadam contra a correnteza
falam sobre a natureza
e também o caos do mundo
falam sobre a beleza
e de coisas tão profundas.

27 janeiro, 2015

"Saudações"

Realidade dura de pedra
tão dura, que cega
você que só vê a guerra
não vê a flor
foge do amor
se esconde nos braços da dor
veja o dia a passar camarada
as folhas como caem
o sol a se pôr
o pássaro a cantar
dance sem os sapatos
desarme
desamarre!






Sorvetamos a tarde toda
entre o sorvete e o beijo
nos amamos.

Qualquer palavra virá
verbo de estado ou ação
sentimento bom
é esse tal de fernandar.

Fernandamos!

09 janeiro, 2015

Num bocado de palavras
Façamos uma cocada
Doce de sentimentos
Coco queimado!