Translate

07 julho, 2014

Cirrose

Saudades de Manoel
que adoeceu no quintal do bordel
tomando uísque e escrevendo um cordel.

Para não ficar sóbrio e não ver o próprio sombrio
Manoel engolia seco o gosto do fel
mas disfarçava como se fosse mel.

E naqueles olhos amargos
amou a tal da prostituta - Dona Céu!

Mulher dos seios fartos
cabelos coloridos - avermelhados.
Atendia o deputado
o padre e o pastor
mais o primo do coronel Nestor.

E seu Manu morria
a cada gemido que ouvia uma lágrima escorria
então outro gole ele dava pra ver se o tímpano estourava
e aquele som de repente feito caco o cegasse.

E  Dona Céu às vezes apanhava
de clientes que porque pagavam,
abusavam.

E nesta loucura um dia o álcool não segurou o Manoel
ele meteu foi o pé na porta pra matar o primo do coronel
mas o moço tava armado
e Dona Céu entrou na frente do escritor bebum
quando o gatilho foi disparado.

Direto na cabeça - o sangue escorria!

Manoel com os escritos dele numa folha de papel
agachou-se para abraçar sua amada falecida
e sabia que aquela cena se repetiria por muitas vezes nas horas do dia
pela lembrança do último respiro
da moça que ele contemplava
em todas as poesias que escrevia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário