Translate

09 maio, 2012

THIS CHARMING MAN

 
Entrou feito alguém despercebido , sentou-se , afastou-se dos demais e observou.
Tirou o chapéu e os óculos , passou a mão direita sobre o cavanhaque e chamou o garçom , pediu um drink - conhaque com limão.
Disfarçadamente parecia descansar os olhos , mas , olhava tudo ao seu redor .
Tirou o casaco cinza , colocou a mão esquerda no bolso da calça e puxou um cigarro , fez que iria acendê-lo , porém , logo mudou de ideia , deixou o cigarro encima da mesa , jogado .
Cruzou as pernas , balançou-as devagarmente enquanto sua bebida estava a caminho. De repente o celular dele tocou , então , levantou-se  e andou até uma área menos barulhenta , em poucos segundos retornou . Antes de sentar-se novamente passou as mãos sobre os cabelos , e percebeu que eu o observaaavaaaa.
Fiz desperceber , apoiei meu queixo sobre minha mão direita e olhei para o lado oposto, como alguém que nada procurava.
Os meus olhos deslumbravam ao encontro dele , mas , os segurei , fiquei nesta posição por uns três minutos , e quando retornei minha visão para o "magnético paraíso", ele desapareceu.
Rapidamente olhei para minha esquerda , direita , à frente , atrás, me vi meio descontrolada , fiquei a pensar onde ele estaria:
- No banheiro ?
- Foi embora?
- Ele me vê?
Fiquei a pensar , a pensar , a pensar , a pensar , meus pés batiam rápido no chão , até que o vi encostado no balcão , com o cotovelo direito apoiado neste , a bater os dedos lentamente como se produzisse um som.
Ele havia colocado os óculos , contudo , o chapéu e o casaco continuavam na mesa que supostamente abandonou .
Os meus olhos pareciam penetrar para a figura daquele homem , e ao mesmo tempo eu tentava evitar olhá-lo , e cada instante que passava tornava-se mais difícil e eloquente este desafio.
- Resolvi levantar!
Propositalmente arrumei o meu vestido e soltei os meus cabelos , caminhei até o toilet feminino em passos de sintonia , puxei uma mecha de meus cabelos para frente e depois coloquei-a atrás de minha orelha . Com a mão direita empurrei a maçaneta da porta , e "delicadamente" entrei.
Olhei-me no espelho daquele banheiro , meu coração parecia sair pela boca , e eu dizia:
- Calma garota!
Passei uma pequena quantidade de água fria em minha nuca , fiquei tensa , confesso. Quanta besteira.
Aproximei ainda mais o meu rosto perto daquele espelho , procurava imperfeições faciais para corrigi-las , os meus cabelos estavam repartidos ao meio , deixei-os de lado , um pouco jogado , próximo de algo natural , nada tão penteado. Procurei o batom em minha bolsa , tinham infinitos papéis , foi perca de tempo , desisti.
Ao sair do toilet , minha visão que nunca obedecia-me dirigia-se para o balcão. Levei um susto , ele sumiu , naquele momento os meus passos saíram do ritmo , com a cabeça quase que abaixada eu olhava de lado e não o encontrava.
Depois de passar entre muitas pessoas , desanimada e prestes a chegar em minha mesa , vi aquele charmoso rapaz sentado em uma cadeira ao lado . Meus passos perderam a sintonia de vez , o coração saltou , iria ter um taquicardia , a expressão de minha face nada disfarçava , quanto eu mais tentava menos conseguia . Fiquei no anseio:
- E agora? E agora?
- Como devo agir?
Senti minhas bochechas queimarem , naturalmente ficaram rosadas , comecei a mexer-me rápido , tentava frear os pés ou mudar o percurso, porém , a minha mesa era aquela e ele estava ali. O problema é que eu não sabia qual atitude tomar.
Buscava o controle da situação , o meu único raciocínio foi fazer de conta que nada acontecia. Quanto mais perto eu ficava daquele lugar , sentia a minha respiração ofegar. Cheguei , sentei-me , cruzei as pernas , coloquei minha mão esquerda aberta encima do meu joelho esquerdo , fixei o  meu olhar em um ponto que não fosse ele , contudo , percebi os  olhares dele recaírem sobre mim , feito imã. Deixei escapar um sorriso.
Ele se aproximou , fez notar . Colocou as mãos sobre a mesa e novamente começou a brincar com os dedos , suavemente produzia um som . Ficou estático a observar-me , minhas bochechas queimavam , sentia a minha pele gritar , deixei que os cabelos caíssem sobre uma parte do meu rosto , tentativa frustrada de teimar em esconder o que me revelava. Foi então que ele perguntou:
- Moça , incomodaria se eu ficar aqui?
- Eu respondi que não , com um meio sorriso entre os lábios . Ele puxou conversa enquanto analisava os meus movimentos , em poucos minutos ficamos cientes um do nome do outro , e o motivo pelo qual nos trouxera a este local.
Pediu um Cabernet Sauvignon, educadamente perguntou-me se eu aceitaria também , fiquei somente com uma taça .Enquanto ele falava eu examinava os mistérios de suas palavras , os gestos , a maneira como levantava a sobrancelha , a forma de erguer a taça e trazer o vinho até a boca.
Aproximou a cadeira mais próxima da minha , uma certa intimidade se estabelecia , mas , de repente ele ousou não falar e me vigiar , estudava os meus olhos , os meus ombros . Queria tentar um assunto , entretanto , não sabia qual , e antes que eu pronunciasse algo , ele disse:
- Eu sei que você me observava , percebi o jeito como dirigiu-se ao banheiro e a forma como saiu . Eu notei a diferença em suas bochechas , a vergonha , o sangue que subia , o seu andar tão elegante que tornou-se trêmulo ao me ver , aqui onde estou agora.
Seria inevitável não perceber-te , prefiro você com os cabelos sem ficarem por atrás das orelhas . Queria tocar em seu rosto , será que posso ou seria pretensioso demais?










Nenhum comentário:

Postar um comentário